Ciência 01.02.2018 voltar

Mapeamento genético pode ser uma das ferramentas mais importantes no diagnóstico do autismo

O mapeamento genético vem se tornando o primeiro teste a ser recomendado pela Academia Americana de Genética Médica e Genômica no estudo de crianças com suspeita de síndromes genéticas, atraso do desenvolvimento neuropsicomotor, atraso do crescimento, atraso de linguagem, anormalidades congênitas e Transtorno do Espectro do Autismo


Um estudo recente conduzido por pesquisadores do New York Genome Center usando a metodologia de sequenciamento do genoma completo (WGS, sigla para o termo em inglês Whole Genome Sequencing), analisou o genoma de 2.064 indivíduos de 516 famílias sem histórico anterior de autismo, porém com um membro autista, e revelou que variações genéticas não herdadas?—?conhecidas como “mutações de novo”?—?podem contribuir para o autismo (Turner et al, 2017). Em janeiro outro estudo também demonstrou a importância das variantes genéticas “de novo” na arquitetura genética complexa do TEA, analisando 262 trios de indivíduos de origem japonesa com TEA e seus pais neurotípicos (Takata et al., 2018).

 

Clique aqui e continue lendo a matéria.

 

Site Tismoo.


TEA Ciência Saúde 12.09.2019

Com a palavra, Dr. Carlos Gadia

TEA Educação Ciência Saúde 06.09.2019

II Seminário sobre Autismo na UCS

Saúde Ciência 19.08.2019

Francisco Paiva Junior e sua relação com o TEA

Ciência Educação Inclusão Mercado de Trabalho Saúde TEA UniTEA
Processando sua Doação